terça-feira, 11 de agosto de 2015

Junho de 2015

Na capa da revista
Pendurada na banca de jornal
As letras, destacadas, gritam
A classe média sofre
A crise
Na outra esquina
Um homem
Velho
Sem classe, sem casa, sem crise
Esmigalha um pão
Duro, velho, riste
Não é sua miséria
Ali estampada
Mas seus infinitos
Desenhados, desgrenhados
Enquanto na praça
Lança migalhas
Aos pombos
Há dois dias, não é a matéria que me agoniza
É o desenho do homem e sua delicadeza
De sonhos
Que voam

Ele fica

Clara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário